Livro resgata história da filha que Pablo Neruda abandonou porque tinha hidrocefalia


O poeta chileno cantou o amor de maneira dilacerada, mas decidiu não dar nenhum apoio à filha doente
Jornal Opção
Jornal Opção
Malva Marina, a filha que o poeta Pablo Neruda abandonou e não quis ajudar, morreu aos 8 anos, numa cidade da Holanda
Os poetas cantam o amor, o real e o imaginário, de maneira extraordinária. Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto, conhecido como Pablo Neruda (1904-1973), Prêmio Nobel de Literatura de 1971, celebrou-o como poucos. Seus poemas líricos o imortalizaram mais do que os engajados. Mas, como ninguém é perfeito e às vezes se tem um lado “m” — de, vá lá, “malvado” —, o bar­do chileno “escondeu” uma história (e um comportamento), por assim dizer, nada lírica e constrangedora. Dirão, por certo: sua poesia ficará menor. Não. A poesia continua poderosa, ainda que às vezes “aguada” e palavrosa (nada comparável à magnífica poesia do maior poeta chileno, Vicente Huidobro), mas o cida...


>>> Veja o artigo completo (Fonte)