Juiz nega pernoite em fazenda e diz que igual Arcanjo existem outras 1.500 pessoas


João Arcanjo
Gazeta Digital
O juiz Geraldo Fidelis, da Vara de Execução Penal de Cuiabá, negou reexaminar decisão que não permitiu ao ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro pernoitar, durante seus finais de semana, na Fazenda São João, em Várzea Grande.
Leia também - Ministério Público vê 'inconsistência' entre ponto e tornozeleira de Arcanjo
O magistrado explicou que mais de 1.500 pessoas também vivem monitoradas, no mesmo regime de pena, não sendo justo conceder benefícios somente ao ex-bicheiro.  
O requerimento foi negado inicialmente em outubro. Insatisfeito, o antigo chefe do crime organizado em Mato Grosso recorreu. Ele argumentou que no dia 26 de fevereiro, ao passar para o regime semiaberto mediante monitoramento por tornozeleira, foi autorizado a permanecer, das sextas-feiras até os domingos, na referida fazenda.   
Para rebater Arcanjo, Fidelis explicou que a permanência não significa dormir no local, visto q...


>>> Veja o artigo completo (Fonte)