Universitário vai pagar mais caro em cursos que formam professores, prevê sindicato das faculdades particulares


O diretor do Semesp Rodrigo Capelato (com microfone)
Divulgação / Semesp
Diretor executivo do Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo) e um dos porta-vozes do segmento das universidades e faculdades particulares, o economista Rodrigo Capelato acredita que o aumento da carga horária dos cursos superiores de licenciatura no Brasil vai custar caro a quem deseja seguir por este caminho.
Capelato prevê que as instituições particulares de ensino superior tenham um aumento de custos de 20% a 25% nesses cursos, despesas que na visão dele serão repassadas aos estudantes.
As universidades e faculdades particulares defenderam o adiamento da entrada em vigor da ampliação das licenciaturas, cursos que formam professores para lecionar na educação básica. O aumento da carga horária das atuais 2.800 horas para 3.200 horas e a ampliação de três para quatro anos do tempo mínimo exigido pa...


>>> Veja o artigo completo (Fonte)