Região central de SP ganha espaços culturais e reforma os históricos

Começam neste mês de março as obras do teatro Cultura Artística, na região central da cidade

Divulgação

A região central da cidade de São Paulo ganha mais três centros culturais nos próximos meses.

O Sesc inaugura no dia 29 de abril a unidade Avenida Paulista. As obras do novo teatro da Sociedade Cultura Artística começam neste mês de março, praticamente dez anos depois de um incêndio que destruiu parcialmente o prédio, e a Emesp (Escola de Música do Estado de São Paulo) Tom Jobim deve ganhar uma nova sede, com direito a sala de apresentação, ainda em fase de projeto.

O que eles têm em comum? São prédios restaurados, adaptados para novos usos e que reforçam a ocupação cultural da região.

Teatro Cultura Artítica

Após um incêndio que destruiu parcialmente o teatro, começam as obras de restauro e reconstrução do novo teatro Cultura Artística.

“As chaves já foram entregues à construtora. Estamos devolvendo um patrimônio para a cidade”, diz o superintendente da Sociedade Cultura Artística, Frederico Lohmann. O teatro é tombado pelo patrimônio histórico nas três instâncias: municipal, estadual e federal.

O novo projeto arquitetônico resgata as características do prédio projetado pelo arquiteto Rino Levi, inaugurado em 1950. O afresco assinado por Di Cavalcanti já foi restaurado em 2012 e voltará para a fachada.

O teatro terá quatro andares e um total de 7.600 metros quadrados de áreas construída. Serão duas salas de espetáculo: a principal com capacidade para 750 lugares, e um auditório com 150 assentos.

“O foco está na música de câmara, formações menores, com 80 músicos, em um ambiente intimista. As orquestras já têm a Sala São Paulo. Claro que a sala será aberta a todo tipo de apresentação musical', destaca Lohmann.

Esta primeira fase do projeto, que contempla as fundações, estrutura e vedação do prédio, foi orçada em R$ 30 milhões. Será realizada uma campanha para arrecadar fundos para a construção da segunda fase, que contempla o acabamento. A Lei Rouanet também deve ser utilizada para captar recursos. O teatro deve ser entregue em 2021.

Unidade do Sesc Paulista

Matheus José Maria/Divulgação

Sesc Paulista

Localizado no número 119 da avenida Paulista, a nova unidade do Sesc tem 17 andares e dois subsolos, com uma área construída de 12 mil metros quadrados. Um dos charmes do prédio é a comedoria na cobertura, que também oferece um mirante, com vista panorâmica para a cidade.

Essa nova unidade deverá atender a um público estimado de 18 mil pessoas por semana. E dialoga com outros centros culturais que já estão na avenida como o Instituto Moreira Salles, a Japan House, o Centro Cultural Fiesp, Masp (Museu de Arte de São Paulo) e o vizinho Itaú Cultural.

Uma novidade que já foi aprovada pela prefeitura é o boulevard na rua Leôncio de Carvalho, localizada na lateral do edifício do Sesc Avenida Paulista. O novo corredor cultural terá circulação exclusiva de pedestres e interligará a unidade do Sesc ao Itaú Cultural. “Nossa proposta é que as pessoas tomem o espaço público, não apenas aos domingos, mas todos os dias. A praça também será um espaço para as mais diferentes manifestações culturais”, afirma Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc SP.

O antigo prédio de escritórios, que serviu de sede ao Sesc de 1978 até o início dos anos 2000, levou 8 anos para ficar pronto. “Foi uma obra complexa, tivemos de adaptar todo o edifício. Ampliamos o número de elevadores e toda a área de circulação, “ Miranda. O Sesc investiu R$ 100 milhões na obra.

“A avenida Paulista é estratégica até pela facilidade de acesso, com metrô e ônibus. Esta unidade oferece o que há de mais moderno, como as demais contempla todos os programas do Sesc, mas não terá piscina ou ginástica. Também terá um espaço cênico, não um teatro." A programação se baseia em três eixos: arte, corpo e tecnologia. “Tecnologia e informação passam por todos os setores das atividades físicas à cultura. ”

Tom Jobim

Em frente à Estação Júlio Prestes, que abriga uma das mais importantes salas de concerto do país, a Sala São Paulo, será construída a nova sede da Emesp Tom Jobim. O projeto integra o projeto do governo do Estado para a ocupação do terreno da antiga rodoviária e deve ser entregue em 2020. Além das salas de aula, o espaço terá uma sala para apresentações e biblioteca.