Filha de ex-espião russo envenenado recebe alta de hospital

Skripal ficaram internados em estado grave

Skripal ficaram internados em estado grave

Reprodução/Facebook

Yulia Skripal, a filha do ex-espião russo que foi envenenado em um ataque com agente nervoso na cidade de Salisbury, na Inglaterra, teve alta do hospital pouco mais de um mês depois do ataque, nesta segunda-feira (9).

Segundo os médicos, Yulia foi levada para um local seguro nesta terça-feira.

A embaixada russa é contra a realocação de Sergei e Yulia e afirmou que "o mundo, não tendo nenhuma oportunidade de interagir com eles, terá toda razão de ver isso como um sequestro de dois cidadãos russos ou, pelo menos, de seu isolamento".

Os Skripal ficaram internados no Salisbury District Hospital e ficaram em estado crítico por semanas.

A diretora do hospital, Christine Blanshard, afirmou que tanto Yulia, 33, quando Sergei, 66, reagiram bem aos tratamentos feitos, mas que eles estão em estados diferentes de recuperação.

Christine afirmou que Sergei não se encontra mais em estado crítico e que eles esperam que ele possa sair do hospital em breve.

Segundo o jornal Washington Post, juntamente com os Skripals um policial de Salisbury, que também teve contato com o agente nervoso que envenenou o ex-espião e sua filha, também foi tratado e libertado no mês passado.

“Todos os três foram expostos a um agente nervoso. Não vou entrar em grandes detalhes sobre o tratamento, mas os agentes nervosos se ligam a certas enzimas do corpo e isso resulta em alucinações e doenças", afirmou Christine.

Quanto à liberação de Yulia, a diretora do hospital disse que este não é o fim do tratamendo, mas que representa um "marco significativo".

No Twitter, a embaixada da Rússia em Londres registrou sua satisfação pela recuperação de Yulia. "No entanto, precisamos de provas urgentes de que o que está sendo feito a ela é feito por sua própria vontade".

Repercursão do caso

A Grã-Bretanha culpou a Rússia pelo envenenamento dos Skripal e Moscou negou qualquer envolvimento no incidente. 

Em resposta ao ataque, o Reino Unido expulsou 23 diplomatas russos de seu parlamente e, em um gesto de soliedariedade outros 26 países — incluindo a União Européia e os EUA — seguitam o exemplo da Inglaterra. No total, mais de 150 diplomatas russos já foram expulsos dos países

A Rússia expulsou 59 diplomatas de 26 países em forma de retaliação e o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que Putin ainda estaria disposto a restaurar os laços com outros países.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Cristina Charão