Abastecimento de combustíveis é retomado aos poucos no país

Consumidores formam fila em posto de combustível no centro de São Paulo

Consumidores formam fila em posto de combustível no centro de São Paulo

Dario Oliveira / Estadão Conteúdo / 29.05.2018

A paralisação dos caminhoneiros segue pelo nono dia consecutivo nesta terça-feira (29) pelo país, com prejuízos que superam os 34 bilhões. A situação, no entanto, começa a dar sinais de melhora. Cidades como São Paulo, Porto Alegre, Vitória, Brasília, Belo Horizonte e Manaus registraram caminhões-tanque abastecendo postos. Já Salvador, por exemplo, ainda não recebeu uma gota de gasolina ou diesel sequer.

O presidente do Sincopetro-SP (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo de São Paulo), José Alberto Gouveia, disse ao R7 que a maior dificuldade é na saída do combustível nas refinarias, que ainda registram protestos de caminhoneiros bloqueando a saída dos caminhões: “Não há previsão. O governo precisa agir, no sentido de liberar os caminhões para transportar o combustível”.

Confira, a seguir, a situação de abastecimento de combustível em diversas cidades do País:

São Paulo

Os postos de combustível em São Paulo ainda registram a falta dos produtos nesta terça. De acordo com Gouveia, “está menos ruim do que ontem, mas ainda sim muito longe do adequado”.

Gouveia informa que 99% dos postos estavam desabastecidos na segunda-feira. Com escolta da PRF, caminhões-tanque levaram combustível para pelo menos 30 postos hoje. “Os (postos) que funcionam basicamente atende a Prefeitura de São Paulo para a realização de serviços essenciais”.

Estabelecimentos que possuem o produto foram vistos cobrando R$ 5,99 pelo litro de etanol, que antes da paralisação dos caminhoneiros custava R$ 2,50 — o Procon-SP recebeu nos últimos quatro dias 986 denúncias de prática abusiva de preços.

Um posto de combustível foi depredado no bairro Jardim Copacabana, em São Bernardo do Campo, na região metropolitana paulista, ontem. Usuários reclamaram que a gasolina teria sido adulterada. Como reação, pessoas jogaram latas de lixo no local, quebraram mesas de loja de conveniência e depredaram bombas de combustível.

"Parece Mad Max", diz fotógrafo que teve gasolina furtada em SP

Polícia escolta caminhão-tanque em Recife (PE) nesta terça-feira

Polícia escolta caminhão-tanque em Recife (PE) nesta terça-feira

Marlon Costa / Estadão Conteúdo / 29.05.2018

Porto Alegre

O governo federal discursa que as manifestações estão encerrando, mas o protesto chega ao nono dia com ainda mais força no Rio Grande do Sul. Nesta terça, são 121 pontos apenas em rodovias estaduais (a média dos demais dias era de 80), segundo o Comando Rodoviário da Brigada Militar.

Após ficar sem gasolina por vários dias, a cidade de Porto Alegre começa a receber o produto. A prefeitura disponibilizou uma lista com 30 postos que possuem combustível — a prioridade para o abastecimento é para a pasta, que conta com seis postos exclusivos.

Vitória

A situação no Espírito Santo é um pouco atípica se comparada às demais regiões do país. Segundo o Sindipostos (Sindicato Patronal dos Postos de Combustíveis), a liminar dada pela Justiça fez com que as distribuidoras pudessem abastecer 80 postos em todo o Estado. A consequência foi a demora para abastecer — capixabas reclamam das filas de 1h e do preço da gasolina (R$4,59). A tendência para o restante da semana é de cada vez mais normalização.

Goiânia

Desde segunda-feira, os caminhões-tanque são escoltados por viaturas da Polícia Militar, realizando, assim, o abastecimento de postos de combustível do Estado. Cerca de 30 caminhões foram para a região sudoeste e 20 para Goiânia. “Estamos diante de um problema nacional e sentimos a necessidade de organizar as demandas, equacioná-las e atendê-las”, disse o secretário de Segurança Pública, Irapuan Costa Júnior.

Segundo o Sindiposto, 90% dos postos estavam sem etanol e 35% sem etanol e sem gasolina, ainda ontem em Goiânia — o sindicato não soube informação o quadro na manhã desta terça. No interior a situação é mais precária: 70% dos postos sem combustível e cidades como Rio Verde, Catalão, Luziânia, Jataí e Piracanjuba não possuem uma gota sequer.

Florianópolis

A cidade de Florianópolis registra quase todos postos de combustível sem estoque (gasolina, diesel e etanol). E a situação piorou. Os motoristas do transporte coletivo na capital de Santa Catarina cruzaram os braços por volta de 8h desta terça. Segundo o Sintraturb (Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Urbano de Passageiros da Região Metropolitana de Florianópolis), “não dá para a população ficar sendo transportada em dias normais como se fosse em fim de semana”. A categoria se reuniu na praça das Lutas, no centro da cidade, em assembleia para decidir por quantas horas os ônibus ficaram estacionados.

Sem gasolina, moradores criam comércio ilegal de combustível

Polícia Militar tem prioridade em abastecimento de viaturas em SP

Polícia Militar tem prioridade em abastecimento de viaturas em SP

Peter Leone / Estadão Conteúdo / 29.05.2018

Brasília

Pelo menos 221 caminhões-tanque foram liberados, com escolta da Polícia Militar do Distrito Federal, para abastecer postos de combustível na segunda-feira — cerca de 20 postos na asa norte e 26 na asa sul receberam combustível.

Os estabelecimentos que ainda possuem combustível registram filas enormes e, até mesmo, briga. Por volta de 14h de ontem, pelo menos seis pessoas agrediram um homem que tentou furar fila para conseguir gasolina em um posto na cidade de Pedregal.

Belo Horizonte

Pelo menos 32 postos de Belo Horizonte e Contagem receberam combustível na tarde de ontem. Segundo o Minaspetro, entidade patronal, os estabelecimentos foram selecionados pelo Comitê de Crise “por estarem localizados em regiões estratégicas, o que possibilitará o abastecimento por um número maior de consumidores”.

O valor máximo por cliente foi estipulado em R$ 100 para "contemplar um número maior de veículos". Segundo a PMMG, proibir o abastecimento em galões visa garantir a segurança dos postos, bem como da população dos locais onde acontecem o reabastecimento pontual.

O Sindicato relembra que os revendedores têm o compromisso junto ao Ministério Público e Procon-MG de não praticar preços abusivos, sob pena de serem enquadrados nos crimes contra a economia popular, ordem econômica e ordem tributária. Nestes casos, o dono do posto poderá ser preso.

Cuiabá

Caminhões-tanque escoltados por agentes da PRF conseguiram chegar a postos na capital do Mato Grosso. Por causa das cargas liberadas, filas enormes foram registradas em postos de combustível. No entanto, o abastecimento ainda não foi normalizado. Em Rondonópolis, 50% dos postos foram reabastecidos. A situação em Cuiabá foi diferente: caminhoneiros não dão sinais de que pretendem acabar com o movimento, o que dificulta o abastecimento da capital.

Governo pede prioridade para abastecer ambulâncias do Samu

Manaus

Os postos estão sendo reabastecidos em Manaus, fazendo assim, com que a situação vai, aos poucos, se normalizando. No entanto, postos burlam a lei e tentam aproveitar o momento para encarecer os preços — quatro dos 150 estabelecimentos fiscalizados pelo Procon-AM constataram irregularidades, os quais possuem cinco dias úteis para apresentar a justificativa e notas fiscais.

Salvador

Ontem, 35 postos dos 250 na região metropolitana de Salvador receberam combustível, levados por caminhões-tanques escoltados pela PRF desde as refinarias de Madre de Deus e Candeias. A capital do Estado registra falta de combustível nesta terça — os postos continuam sem o produto, segundo o Sindicombustíveis. “Enquanto a greve não acabar, dificilmente teremos o produto para comercializar”, informou.

Curitiba

A capital do Paraná foi abastecida com 520 mil litros de combustível e o serviço de transporte coletivo funciona normalmente nesta terça. Estão nas ruas, diz a Prefeitura de Curitiba, 1.285 ônibus. Os quatro comboios de caminhões-tanque foram feitos protegidos pela Guarda Municipal, por determinação do prefeito Rafael Greca (PMN).