Advogado de jornalistas presos em Mianmar questiona provas

Defesa afirmou que provas podem estar 'corrompidas'

Defesa afirmou que provas podem estar 'corrompidas'

Reuters/Ann Wang/29.5.2018

Provas que a polícia de Mianmar diz ter obtido nos celulares de dois repórteres da Reuters acusados de possuírem documentos secretos podem estar "corrompidas", porque ao menos um telefone foi usado depois de ter sido confiscado, disse um advogado de defesa nesta terça-feira (28).

Uma mensagem do WhatsApp foi enviada do celular do jornalista Wa Lone depois que ele e o colega Kyaw Soe Oo, da Reuters, foram presos em 12 de dezembro e mantidos incomunicáveis ​​sob suspeita de violar a Lei dos Segredos Oficiais, disse a defesa ao tribunal.

O major da polícia Aung Kyaw San, que disse que ele e outros policiais examinaram os telefones, disseram ao tribunal que ele não estava ciente da troca no WhatsApp e não sabia quem usou os telefones antes de sua entrega aos investigadores em 14 de dezembro.

O advogado de defesa Than Zaw Aung disse que a mensagem de texto de uma só palavra - "OK" - foi enviada via WhatsApp às 22h, depois que o telefone de Wa Lone foi tirado dele pela polícia logo após os dois repórteres foram presos por volta das 21h10.

"Isso significa que qualquer um poderia ter acesso aos telefones, então qualquer coisa poderia acontecer com os telefones", disse um segundo advogado de defesa, Khin Maung Zaw, à Reuters após os procedimentos de terça-feira. "Todas as mensagens que eles disseram que foram encontradas nos telefones podem não ser genuínas ou os telefones podem estar contaminados".

O promotor principal, Kyaw Min Aung, se recusou a comentar.

O caso

A corte de Yangon vem realizando audiências desde janeiro para decidir se os repórteres Wa Lone, de 32 anos, e Kyaw Soe Oo, de 28, serão acusados sob a Lei de Segredos Oficiais, que acarreta uma pena máxima de 14 anos de prisão.