Bahia perde 170 mil frangos por dia com greve de caminhoneiros

Caçambas e até retroescavadeiras são utilizadas para retirar os animais mortos das granjas

Divulgação/ABA

Com a greve dos caminhoneiros, que chegou ao 9º dia nesta terça-feira (28), cerca de 170 mil frangos morrem por dia na Bahia. As informações são da Faeb (Federação da Agricultura e Pecuária do estado). Na cidade de Governador Mangabeira, cerca de 140 quilômetros de Salvador, uma única granja perdeu mais de 50 mil frangos morreram por falta de alimento e teve um prejuízo de cerca de R$ 400 mil, conforme dados da ABA (Associação Baiana de Avicultura).

Leia mais notícias no R7 BA

Por causa dos bloqueios dos caminhões em rodovias federais e estaduais de todo o país, as granjas de regiões produtoras ficam desabastecidas, sem milho, sorgo e sem insumos para alimentaar as aves. Mortes de frangos já foram registradas ainda em granjas dos municípios de Conceição da Feira e Santo Antônio de Jesus. Caçambas e até retroescavadeiras são utilizadas para retirar os animais mortos das granjas.

Conforme a Associação Baiana de Avicultura, o estado conta hoje com 17 milhões de aves e, se todas morrerem, o prejuízo pode chegar a R$ 70 milhões.

Em toda a Bahia, segundo a ABA, há 12 frigoríficos de frangos e 485 granjas. Eles abastecem o mercado baiano, o de estados vizinhos e até importam para outros países. Em muitos deles, segundo o órgão, o estoque de alimentos para as aves terminou na sexta-feira (26).

A ABA divulgou uma nota em que pede aos caminhoneiros que liberem a passagem de veículos que transportam ração para as granjas, assim como de caminhões que transportam aves vivas para o abate, para que, conforme o órgão, "a catástrofe não seja ainda maior e se torne um problema sanitário e de saúde pública".