Há melhora no abastecimento do país, afirma Pedro Parente

Pedro Parente diz há melhora no abastecimento de combustíveis

Pedro Parente diz há melhora no abastecimento de combustíveis

José Cruz/Agência Brasil

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, participou nesta tarde de terça-feira (29) de teleconferência com analistas de mercado para tentar reverter a trajetória de queda das ações, iniciada com o anúncio de mudanças no preço do diesel para conter a greve dos caminhoneiros, na semana passada.

Combustível chega aos poucos, mas mercados e hospitais preocupam

Parente iniciou sua fala fazendo uma retrospectiva dos últimos dias de crise. O executivo destacou que mesmo após divulgar que os preços permaneceriam congelados por 15 dias e também que seriam reduzidos em 10%, e também após os primeiros movimentos do governo para tentar conter os protestos, o problema de abastecimento permaneceu.

Guardia recua e diz que governo não aumentará impostos

Hoje, em sua opinião, já "há uma melhora progressiva no abastecimento do país", embora a situação ainda não esteja normalizada. Ao analisar a crise, Parente ainda afirmou que ficou claro para todo o mercado e população que o debate sobre o preço dos combustíveis está interligado às discussões sobre impostos.

Justiça nega pedidos de prisão por locaute na greve dos caminhoneiros

Ele comentou ainda que "a discussão pública da política de preços foi personificada" nele e que, em alguns momentos, ficou parecendo que a solução do problema passaria pela sua demissão. Essa é uma das pautas de reivindicações da FUP (Federação Única dos Petroleiros), que inicia nesta quarta-feira, 30, uma greve de 72 horas.

Não há mais greve, apenas atos políticos, diz governo

Segundo Parente, a operação nas refinarias foi afetada pela crise, mas a empresa conseguiu administrar a atividade, atuando também na área logística. "Estamos trabalhando estoques, logística, a programação de produção e parcerias. Consequências em relação à operação tiveram. Mas tomamos as medidas cabíveis", afirmou.

Pagamento pelo governo

A Petrobras terá liberdade para aplicar o reajuste derivado das condições de mercado, independentemente da periodicidade, explicou Parente.

"Independentemente da periodicidade, a prerrogativa é de reajustes necessários. Esperamos poder passar por isso sem maiores consequências à operação da empresa", disse o executivo. "O importante é manter as margens de lucro na operação."

No entanto, ele lembrou que a empresa não tem poder de fixar os preços do petróleo e o câmbio. "Discutimos em Brasília o que é relevante na política de preços", ressaltou.

Ele explicou que é possível que a empresa tenha nova fórmula de reajuste. Conforme explicação da companhia, foi definido junto ao governo que a periodicidade dos reajustes de preços passará de diária para mensal.

Ao ser questionado por analista como se dará o pagamento pelo governo, Parente disse que o objetivo é de pagamento pelo governo no menor espaço de tempo possível, ainda dentro do próprio mês.