Polícia Civil realiza operação contra fraude bancária em seis Estados

Agentes cumprindo mandados em Vargem Grande, Rio

Reprodução/RecordTV Rio

O MP-RJ (Ministério Público), a partir do GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e com apoio da Polícia Civil, realiza, nesta segunda-feira (17), a segunda fase da operação “Open Doors”, que tem como objetivo cumprir 45 mandados de prisão em seis Estados do Brasil. O primeiro balanço da ação, divulgado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro em suas redes sociais, informa que foram feitas 20 prisões até o momento.

A quadrilha agia enviando mensagens de textos e e-mails com links que direcionavam as vítimas a sites com o objetivo de suspostamente atualizar dados cadastrais de segurança, mas que continham artifícios para extrair informações das contas de pessoas físicas e pessoas jurídicas.

De acordo com o MP-RJ, o grupo conseguiu arrecadar, entre 2016 e 2017, mais de R$ 30 milhões em fraudes bancárias. Ainda em nota, o órgão revelou que a quadrilha já conseguiu R$ 500 mil em único golpe contra agentes do setor financeiro de grandes corporações.

Os mandados de prisão na Bahia, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo são contra hackers, “ligadores”, chefes da quadrilha e integrantes responsáveis por lavar o dinheiro destas fraudes a partir da compra de terrenos, salas comerciais e apartamentos.

A primeira fase da operação, em agosto de 2017, indiciou 83 pessoas do núcleo operacional do grupo. Somando as duas fases, são 320 pessoas identificadas como atuantes na quadrilha em todo Brasil. O MP-RJ destacou em nota que “o grupo criminoso é extremamente estruturado e, sua atuação, complexa”.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Odair Braz Jr.