Eslovaco se candidata ao comando da UE e critica Salvini

Maros Sefcovic durante conferência em Bruxelas

REUTERS/Eric Vidal/File Photo - 1/7/2015

O vice-presidente da Comissão Europeia Maros Sefcovic, da Eslováquia, se lançou nesta segunda-feira (17) como candidato a mandatário do poder Executivo da União Europeia pelo grupo de centro-esquerda Socialistas e Democratas (S&D).

Também comissário europeu para Energia desde novembro de 2014, o político de 52 anos quer suceder o conservador Jean-Claude Juncker, do Partido Popular Europeu (PPE), depois das eleições de maio de 2019 para renovar o Parlamento da UE.

Do lado do PPE, seu líder no Legislativo do bloco, o alemão Manfred Weber, já se candidatou. A presidência da Comissão Europeia é dada ao partido com maior representação no Parlamento Europeu, hoje controlado pelos conservadores.

Leia também: União Europeia aprova texto que ameaça gigantes da internet

Em sua primeira coletiva de imprensa como candidato, Sefcovic se mostrou "preocupado" com a situação política na Itália e a afirmação da ultranacionalista Liga, chefiada pelo ministro do Interior Matteo Salvini.

"Fui muitas vezes à Itália e sempre me impressionei com o quanto esse grande e importante país é honestamente pró-UE. Para nós, é uma situação nova, devemos assegurar que a Itália volte a ser de novo o grande país do G7 fortemente pró-UE", disse.

Salvini, por sua vez, rebateu que os "euroburocratas" devem "ficar quietos" e "pedir desculpas" por ter "ignorado" os pedidos de ajuda da Itália na crise migratória.

Um dos países que mais impõem entraves às políticas de acolhimento do bloco é justamente a Eslováquia, governada por Peter Pellegrini, do mesmo partido de Sefcovic.