PF pede mais 60 dias para concluir inquérito de líderes do MDB e Maia

email facebook googleplus pinterest twitter whatsapp
Da esquerda para a direita: Eunício Oliveira, Rodrigo Maia, Romero Jucá, Renan Calheiros e Lúcio Vieira Lima (Foto: Arte/G1)

Da esquerda para a direita: Eunício Oliveira, Rodrigo Maia, Romero Jucá, Renan Calheiros e Lúcio Vieira Lima (Foto: Arte/G1)

A Polícia Federal pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais 60 dias para concluir o inquérito que investiga os presidentes do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Tambem são investigados os senadores Romero Jucá (MDB-RR) e Renan Calheiros (MDB-AL), além do deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA).

O pedido foi encaminhado ao ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato. Antes de decidir, porém, Fachin deverá remeter o caso para a Procuradoria Geral da República (PGR) opinar sobre o tema.

O inquérito

O inquérito foi aberto a partir das delações de executivos e ex-executivos da empreiteira Odebreecht.

A investigação é sobre se os cinco parlamentares receberam propina de R$ 7 milhões da construtora Odebrecht em troca da aprovação de uma medida provisória em 2013 que tratou de incentivos tributários a produtores de etanol e à indústria química.

Todos os parlamentares citados já negaram ter recebido vantagens indevidas ou negaram envolvimento na aprovação da MP.

O pedido da PF

No documento, a PF afirma que ainda são feitas as análises de supostos pagamentos aos políticos por meio de intermediários.

Segundo o documento enviado ao Supremo, há dados entregues pelo gerente de uma empresa de transportes que prestava serviços para a Odebrecht.

Além disso, há um depoimento pendente - de Carlos Parente, da Braskem -, agendado para 1º de novembro, segundo a polícia.