PMs armados agridem vizinhos por cuspe no chão, diz cozinheira

Jovem afirma ter sido agredido por PM

Jovem afirma ter sido agredido por PM

Arquivo pessoal

A cozinheira Ivani dos Santos de Jesus, 54 anos, afirma ter sido agredida pelos policiais militares Paulo Martinez Ortega e Saulo Martinez Ortega, pai e filho, na tarde da última quinta-feira (28), em São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo, após tentar defender o filho que teria cuspido na calçada da casa dos policiais.

Em depoimento à Polícia Civil, Ivani afirma que os PMs também agrediram seu filho Lucas Mateus, de 17 anos.

Segundo o adolescente, a confusão se originou porque seu irmão, Jefferson de Jesus Basílio, 31 anos, “estava fumando um cigarro na calçada da minha tia, do lado da casa dos PMs, cuspiu no chão e os policiais saíram no portão já querendo confusão”.

PMs estavam armados na rua

PMs estavam armados na rua

Arquivo pessoal

O jovem afirma que saiu para rua, junto com a mãe, logo após o início da confusão entre os PMs e Jefferson. Lucas diz que quando a mãe foi tentar tirar Jefferson da confusão, o cabo aopsentado Paulo Martinez Ortega, a chutou. Antes de Lucas relata que antes de ajudar a mãe, teria sido agredido pelo soldado Saulo Martinez Ortega com um tapa na boca.

Segundo Lucas, a família já teve outros problemas com os PMs. “Eles querem mandar na rua. Se tem festa aqui, eles já mandam abaixar o som. Outro dia deram até tiro para o alto, porque meus primos estavam na rua”.

Ivani ainda disse à polícia que foi empurrada, levou um chute na perna direita e teve os cabelos puxados pelo PM mais velho. A cozinheira registrou boletim de ocorrência no 65º DP (Vila Jacuí).

A versão dos PMs sobre a origem dos fatos é outra. Segundo Paulo, os policiais saíram armados para a rua porque teriam ouvido alguém falar gírias, que foram interpretadas como ameaças, em frente à casa onde moram.

No portão, pai e filho iniciaram a discussão com Jefferson. O soldado Saulo ainda afirma que, quando viu que se tratava do vizinho, passou a segurar a arma pelo cano, com a mão esquerda.

Os dois PMs ainda dizem que não agrediram e não ameaçaram os vizinhos.

Em nota, a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo) disse que o 63º DP registrou um termo circunstanciado de ameaça, lesão corporal e ato infracional de lesão corporal. O termo foi assinado por todos os envolvidos. A secretaria acrescenta que "o caso foi encaminhado ao Jecrim (Juizado Especial Criminal) e à Vara da Infância e Juventude, devido ao envolvimento de um adolescente."

A pasta ainda disse que o 2º Batalhão vai apurar a conduta do policial e do PM aposentado.

*Kaique Dalapola, estagiário do R7

Leia mais notícias de São Paulo