MP investiga homem pelado no Museu de Arte Moderna de SP

Fachada do MAM, no parque do Ibirapuera

Douglas Cometti/29.9.2017/Folhapress

O MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) instaurou um inquérito nesta sexta-feira (29) para investigar uma denúncia contra o MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo), localizado dentro do parque do Ibirapuera, depois de imagens de uma criança interagindo com um artista nu viralizarem na Internet.

O documento foi assinado pelo promotor Eduardo Dias de Souza Ferreira, da 15ª Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude.

Nas imagens, uma criança com idade entre 5 e 6 anos, ao lado da mãe, toca a perna do artista que está deitado imóvel.

A intervenção artística aconteceu nesta terça-feira (26) e fazia parte da exposição La Bête. Em uma das salas do museu o artista Wagner Schwartz se apresentava completamente nu, manipulando uma réplica de escultura em meio a coreografias em que o público é convidado a interagir com o artista.

Segundo o MAM, a apresentação é inspirada no trabalho Bichos, de Lygia Clark, e integrava a programação do 35º Panorama de Arte Brasileira.

As cenas causaram indignação de centenas de internautas que passaram a compartilhar as imagens. Políticos como Jair Bolsonaro, Marco Feliciano e o Movimento Brasil Livre criticaram a performance classificando-a como repugnante, inaceitável, destruidora de família e erotização infantil.

Diante da repercussão do caso, o Ministério Público abriu um inquérito civil que poderá resultar em uma ação civil pública ou um ajustamento de conduta contra o Museu de Arte Moderna.

O MP determinou que o museu preste informações sobre a performance e esclareça os critérios da classificação indicativa, que determina para qual público a exposição é voltada. O Ministério Público solicitou ainda que as empresas Youtube, Facebook e Google impeçam o acesso dos internautas aos vídeos da performance que estão circulando na rede.

O Museu de Arte de São Paulo informou, por meio de nota, que a sala da performance sinalizava o teor da apresentação, ressaltando que havia nudez artística. O MAM lamentou o que considera interpretações equivocadas do conteúdo da performance e condenou as manifestações de ódio que atentam contra a liberdade de expressão.