Teve visto negado aos EUA? Especialistas revelam os motivos

Para tirar visto, turista tem que demonstrar vínculo e ganhos

Thinkstock

Tirar visto para viajar aos Estados Unidos ficou mais difícil. Muitos documentos estão sendo negados pelas autoridades americanas, pois os critérios de avaliação foram apertados.

Quem não possui vínculo real com o Brasil, emprego e ou não demonstra condição financeira de arcar com os custos da viagem não terá o documento para turismo aprovado, explicam os especialistas.

"Para vistos de trabalho, agora, está em vigor a filosofia 'Hire American and buy american'. Assim, muitos vistos são negados para impedir que pessoas sem qualificação tomem a vaga de americanos", diz Daniel Toledo, advogado especializado em direito de imigração e presidente da Abac (Associação de Comércio Brasil-Miami). 

Para vistos definitivos, a política também mudou, segundo ele. "Agora, é preciso passar por entrevista obrigatória, além de uma quantidade considerável de requisitos que, hoje, se tornaram ainda mais relevantes na análise", completa Toledo.

A advogada Ingrid Baracchini, especializada em imigração, explica como é feita a avaliação na hora do visto de turismo. Ela lembra que, antes, havia uma flexibilidade nos pontos listados, que agora acabou.

Para evitar dor de cabeça só tem uma solução: diga sempre a verdade"
Daniel Toledo, advogado especializado em direito de imigração

"São três pontos básicos. É analisado o motivo da viagem, ou seja, se aquela pessoa que diz que vai à Disney realmente cumprirá o roteiro, as questões financeiras, para verificar se a pessoa tem um salário que condiz com a viagem que quer fazer, e o vínculo no Brasil, isto é, se tem família, trabalho e outros motivos reais que a prendam no Brasil". 

Ingrid completa que não basta mostrar um extrato bancário com dinheiro que o pai depositou, por exemplo. É preciso demonstrar que a pessoa realmente ganha um salário condizente com a viagem que pretende fazer.

A profissional é bastante procurada quando alguém tem visto negado. "Aumentou muito neste ano. Mas verificamos que, em 50% dos casos, o visto deveria ter sido mesmo negado, pois a intenção da pessoa não era turismo. Aí, não seguimos com o cliente. Há a outra metade que está de boa fé, mas acabou sendo prejudicada pela rigidez do sistema".

Ela completa que a fase mais crítica para tirar visto é na idade dos 20 aos 30 anos, quando geralmente o emprego não paga bem, a pessoa ainda não fez uma família no Brasil e não tem vínculos para comprovar.

E a pessoa deve tentar novamente caso tenha o visto negado? Para Toledo, depende da razão da negativa.

"Muitas vezes, os critérios são subjetivos. A pessoa tem tudo, mas o oficial não gostou dela, dos documentos ou da resposta. Neste caso, sim. Aguarde 30 dias e refaça. Mas se os critérios forem objetivos, como se estiver sem emprego, sem dinheiro e vínculos, qualquer aplicação vai ser negada até que os requisitos sejam atendidos", finaliza.

E só o visto também não basta. Ao chegar aos EUA, a pessoa pode ter que responder questões, as redes sociais dela podem ser checadas, além dela ter de passar por "dupla triagem", ou seja, responder a duas avaliações na entrada. Toledo recomenda:

"Para evitar dor de cabeça só tem uma solução: diga sempre a verdade. Eles têm acesso a tudo e, na dúvida, vão confrontar".

Consegui o visto? Descubra o roteiro mais descolados de Miami

Para evitar dor de cabeça só tem uma solução: diga sempre a verdade"