Justiça converte em preventiva prisão de homem acusado de matar pai e filho no Jardim Botânico

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) converteu a prisão em flagrante de Roney Ramalho Sereno para preventiva. Ele é acusado de matar pai de filho na noite da última sexta-feira (8), no Condomínio Estância Quintas da Alvorada, no Jardim Botânico.

De acordo com a decisão da magistrada Luana Lopes Silva, “o caso se reveste de especial gravidade porque o autuado praticou dois homicídios, contra pai e filho, seus vizinhos há alguns anos, havendo notícia de que teriam sido realizados cerca de 7 ou 8 disparos de arma de fogo, de modo que tudo indica a crueldade e frieza do acusado na prática do delito, assemelhando-se a hipótese a uma execução”.

A decisão destaca ainda que o crime praticado por Roney teria sido premeditado, uma vez que ele teria enviado anteriormente um envelope às vítimas com uma munição. O documento ressalta que Roney teria “realizado os fatos na frente do filho/irmão das vítimas, a quem também teria ameaçado”.

A magistrada ainda ressalta que, como servidor público responsável pela segurança de autoridades, o que se esperava do homem era justamente garantir a segurança de pessoas e não o contrário.

Despedida

No fim da tarde  e sob forte comoção amigos e parentes enterraram os corpos de Anderson Ferreira de Aguiar, 49 anos, e Rafael Ferreira, 21, no Cemitério Campo da Esperança.

No local a viúva e mãe, Ana Karina Ferreira, disse que espera que a justiça seja feita.

“Só o que posso pedir neste momento é que aconteça a justiça. Caso o acusado deste crime seja solto, o sangue do meu marido e do meu filho estarão nas mãos de quem soltar”, desabafou emocionada.

O crime

O assassinato aconteceu por volta das 23h45, da sexta-feira (08). O motivo, segundo testemunhas, era uma antiga rixa entre os vizinhos, principalmente por conta de uma lixeira e uma câmera instalada na casa do acusado, que filmava toda a varanda da família das vítimas.

Anderson Ferreira era servidor da Presidência da República e trabalhava área de Finanças do Planalto.

Saiba mais em Jornal de Brasília