PM é morta pelo próprio marido, que também é policial

Movimentação da polícia após crime no Ipiranga

Mario Ângelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo - 11.12.2017

O policial militar Ailton de Souza Lima acusado de ter matado a mulher, Ana Amelia Panichi, após uma discussão, no último domingo (10), no Ipiranga, zona sul de São Paulo, se entregou na manhã desta segunda-feira (11) para a Polícia Militar.

Ambos eram do 46º BPM/M. Ailton fugiu do local, mas posteriormente se entregou no Plantão de Polícia Judiciária Militar do 12º Batalhã da PM/M, onde está sendo ouvido.

Ana Amélia também era policial militar e foi morta a tiros pelo próprio marido, Souza Lima. A filha de Ana, de 10 anos, presenciou o crime.

De acordo com a Polícia Militar, o crime aconteceu na casa da família, na rua Gomes Nogueira, por volta das 22h50. O soldado Souza Lima atirou contra a mulher durante uma discussão do casal. Ana Amélia levou dois tiros no peito. Ela foi foi socorrida por uma unidade do Corpo de Bombeiros e levada para o Hospital Heliópolis, mas não resistiu aos ferimentos.

O casal era lotado na 2ª Companhia do 46º Batalhão da Polícia Militar, que fica no Ipiranga. Assim como o marido, Ana Amélia também era soldado. 

Souza Lima e Ana Amélia estavam juntos havia dois anos. A policial tinha uma filha de 10 anos de um relacionamento anterior.

O homicídio foi registrado no plantão do 16º Distrito Policial (Vila Clementino). O caso também será acompanhado pela Corregedoria da Polícia Militar.